Início » Portal Blue Farm » China lança campanha para preencher lacuna no monitoramento de gases de efeito estufa

China lança campanha para preencher lacuna no monitoramento de gases de efeito estufa

China lança campanha para preencher lacuna no monitoramento de gases de efeito estufa

A China forçará os principais setores e regiões industriais a tomar medidas para medir as emissões de gases de efeito estufa como parte de uma nova iniciativa para melhorar a qualidade e a supervisão dos dados, de acordo com um documento do Ministério do Meio Ambiente revisado pela Reuters.

Sob o programa piloto, alguns dos maiores fornecedores de energia a carvão da China, siderúrgicas e produtores de petróleo e gás devem elaborar novos planos abrangentes de monitoramento de gases de efeito estufa até o fim deste ano.

Isso ocorre enquanto a China, o maior emissor de gases de efeito estufa do mundo, precisa aumentar sua medição de emissões de carbono de acordo com seu monitoramento de poluentes do ar para cumprir a promessa do presidente Xi Jinping de se tornar neutra em carbono por volta de 2060, dizem especialistas e ambientalistas.

“Em contraste com os poluentes atmosféricos, há uma grande lacuna nos relatórios sobre as emissões de CO2 – não há relatórios regulares que divulguem as emissões totais do país”, disse Lauri Myllyvirta, analista-chefe do Centro de Pesquisa em Energia e Ar Limpo (CREA).

“Expandir o monitoramento e divulgação de emissões atualmente em vigor para poluentes do ar para CO2 seria um grande avanço”.

De acordo com o documento, datado de setembro de 2021 e fornecido à Reuters pelo Ministério da Ecologia e Meio Ambiente (MEE), o novo programa de monitoramento visa fornecer “apoio estatístico” para a luta do país contra as mudanças climáticas.

Cidades como Tangshan e Hangzhou, juntamente com regiões como Mongólia Interior e Yunnan, também receberam ordens para avaliar sua capacidade de atuar como sumidouros de carbono, incluindo taxas de cobertura florestal e mudanças no uso da terra.

O programa piloto, com conclusão prevista para os primeiros três meses de 2023, visa avaliar as melhores práticas de medição de gases de efeito estufa. Ele incluirá os setores de petróleo e gás, aço e energia térmica, bem como processamento de resíduos, e abrangerá gases-chave como metano e dióxido de carbono.

As empresas estatais envolvidas no programa piloto – incluindo a China Petrochemical Corp (Sinopec), a China National Petroleum Corp e a Shandong Energy Corp – não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

Fonte: noticiasagricolas