Início » Portal Blue Farm » Gerenciamento de pastagens tem implicação na biodiversidade

Gerenciamento de pastagens tem implicação na biodiversidade

A ideia conceitual desse tipo de pastejo é pastar uma área relativamente pequena por um curto período de tempo

“A forma como gerimos estas pastagens tem implicações de longo alcance para a biodiversidade, clima e segurança alimentar”, diz Timm Döbert, pós-doutorando da Faculdade de Ciências e líder de um estudo recente publicado na revista Geoderma. Para um projeto de cinco anos, a equipe analisou o pastoreio adaptativo em vários piquetes (AMP), um tipo de pastoreio rotativo caracterizado por altas densidades de unidades de animais, pequenos piquetes e curtos períodos de pastoreio seguidos por um longo período de descanso.

“A ideia conceitual desse tipo de pastejo é pastar uma área relativamente pequena por um curto período de tempo com alta densidade de animais, seguido de um longo período de descanso para que a vegetação se recupere totalmente”, disse Döbert. “O objetivo é refletir os padrões de pastoreio mais naturais nos quais essas espécies de pastoreio evoluíram, incluindo o impacto do pastoreio de gado no contexto norte-americano, mas, de maneira mais geral, o efeito do pastoreio de animais selvagens”.

Havia 34 fazendas da AMP combinadas com “fazendas vizinhas”, que no outro extremo do espectro são essencialmente áreas abertas onde o gado circula livremente, mas também incluem fazendas que alternam seus rebanhos com menos frequência. Eles também têm, em média, uma relação pousio-pastagem 30 vezes menor e uma densidade média de pastagem por piquete 23 vezes menor do que as fazendas AMP. Os pesquisadores descobriram que as fazendas da AMP tinham 30% mais infiltração de água do que as fazendas vizinhas.

“Como os pastores ocidentais estão em um ecossistema com restrição hídrica, portanto, podemos identificar mudanças de manejo no campo, que são bastante fáceis de implementar e, de imediato, têm um grande benefício para a infiltração de água, o que fornecerá potenciais estratégias aos pecuaristas para melhor se adaptar a uma mudança climática”, diz Döbert.

Fonte: agrolink