Início » Portal Blue Farm » Sucessão familiar no Agro: os desafios de conquistar o legado

Sucessão familiar no Agro: os desafios de conquistar o legado

Sucessão familiar no Agro: os desafios de conquistar o legado

Assumir um legado requer planejamento, capacitação do sucessor e identificação das atividades exercidas. É comum surgirem dúvidas antes da convicção de que realmente gostaria de atuar em determinada atividade para o resto da vida. Isso aconteceu com Gerson Facin, do Distrito de Santa Lúcia, no município de Ouro, no oeste catarinense, que participa dos cursos disponibilizados pelo Programa Encadeamento Produtivo desenvolvido pela Aurora Coop, pelo Sebrae/SC e por outros parceiros.

Antes de decidir liderar os negócios da família, ele optou em deixar as atividades da propriedade por duas vezes. “Foi uma fase da vida na qual não me via naquele serviço, pois tinha a visão de que tudo era muito sofrido. Depois, que conheci a realidade do mundo exterior mudei o pensamento e foi a melhor coisa que fiz, pois, antes de ficar na dúvida fui lá e tive a experiência”. Gerson retornou à propriedade rural com a certeza da profissão escolhida. Com o apoio de seu pai José Facin, sua mãe Noeli Andrioni Facin e sua esposa Crislaine Poyer começou o processo de sucessão para continuar com as atividades exercidas na propriedade rural pertencente à família desde 1989 e associada desde 2017 à Cooperativa Agropecuária de Lacerdópolis (Coolacer).

Na área de 40 hectares são desenvolvidas diversas atividades como produção de milho (silagem e grãos), o cultivo da erva-mate, a criação de gado de corte em sistema de confinamento, bovinocultura de leite (30 vacas) e suínos terminação (600 animais). A propriedade também possui seis hectares de pastagem perene, sete hectares de reflorestamento e 7,5 hectares de reserva legal.

GESTÃO DA PROPRIEDADE

Para a administração das atividades exercidas na propriedade a família possui plano de metas (com ações para serem executadas no vigente de um ano, cinco anos e até dez anos), mapa estratégico (para finanças, cliente e sociedade, processos e pessoas), método de análise e soluções de problemas, plano de ações para suinocultura e bovinocultura de leite e indicadores que fornecem subsídios para tomada de decisão e para análise de rentabilidade.

Em 2019, a família Facin participou do curso De Olho, que incentiva a mudança de hábitos voltadas à organização da propriedade. Em 2021, participou do curso do Qualidade Total Rural (QT Rural), que agregou ainda mais conhecimento nas atividades desenvolvidas na propriedade, incentivando melhorias constantes que impactam diretamente em tudo o que é produzido.

“Em nossa propriedade o QT trouxe inúmeros pontos positivos a exemplo do gerenciamento das atividades por meio das planilhas que fornecem dados de como está cada segmento, o controle das entradas e saídas que auxiliam na tomada de decisão e na busca de melhores resultados”, explica o empresário rural. Segundo Facin, pela participação e o empenho neste curso atualmente a propriedade atende a maioria dos requisitos necessários para integrar o Programa de Propriedade Rural Sustentável, disponibilizado pela Aurora Coop.

Com a participação dos cursos e a conquista de certificados, a propriedade obtém maior reconhecimento de que produz com um padrão de qualidade, com foco no bem-estar social, no respeito ao meio ambiente e no desenvolvimento econômico, fatores que agregam ainda mais valor no que é produzido. “Só temos a agradecer pela oportunidade de frequentar este curso, pois o conhecimento é algo extraordinário, que ninguém consegue nos tirar. O que aprendemos no decorrer foi importantíssimo para a evolução da propriedade porque mostrou outra forma de gerenciar e de encarar os desafios”, avalia ao enaltecer as orientações transmitidas pelo consultor credenciado ao Sebrae/SC, Lorival Zanluchi.

RESULTADOS

Os indicadores de produtividade do leite mostram a evolução da atividade, que passou de 24,18 litros/vaca em setembro de 2021 para 25,40 litros/vaca em novembro do mesmo ano. Na suinocultura de terminação ocorreu a redução da mortalidade de animais, que caiu de 2% para 0,83% por lote e outro indicador positivo é o ganho de peso diário que subiu de 0,926 para 0,953, nos três últimos lotes analisados.

ENCADEAMENTO PRODUTIVO

O “Encadeamento Produtivo Aurora Coop: Suínos, Aves e Leite” é desenvolvido em Santa Catarina com as parcerias do Sebrae, do Senar, do Sescoop, do Sicoob, da Cooperalfa, da Itaipu, da Auriverde, da Coolacer, da Copérdia, da Caslo, da Cooper A1 e da Coopervil. No Rio Grande do Sul, conta com a parceria do Sebrae, do Sicredi, da Cooperalfa, da Cooper A1 e da Copérdia. No Paraná participam o Sebrae, a Cooperalfa, a Copérdia e a Cocari e, no Mato Grosso do Sul, Sebrae, Cooasgo e Cooperalfa.

Fonte: noticias agrícolas