Início » Portal Blue Farm » Brasil pode ter 270 mi tons de déficit de abastecimento

Brasil pode ter 270 mi tons de déficit de abastecimento

Brasil pode ter 270 mi tons de déficit de abastecimento

“Há de se destinar maiores recursos para a construção de armazéns e aquisições de silos”

Se as projeções de alguns setores do agro estiverem certas, o Brasil terá uma safra de 500 milhões de toneladas de grãos na próxima década, o que causaria um déficit de armazenamento de 270 milhões de toneladas. Foi isso que informou o diretor técnico da Sociedade Nacional de Agricultura (SNA), Chequer Jabour Chequer.

Segundo ele, o crescimento da produção de grãos no Brasil, apesar de contribuir para elevar o PIB do País, ainda não está sendo acompanhado por um aumento da infraestrutura de armazenagem. “É um cenário que exige urgentes investimentos, objetivando cobrir um déficit significativo de 122 milhões de toneladas, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Afora isso, há de se considerar a temporalidade das safras, permitindo a utilização de armazéns para o atendimento de safra de grãos diferentes, o que arrefece um pouco o déficit”.

“Há de se destinar maiores recursos para a construção de armazéns e aquisições de silos, que até agora demonstram ser insuficientes para atender as necessidades dos agricultores. O armazenamento inadequado de grãos acarreta aproximadamente em 15% de perdas, segundo estudos da Embrapa, implicando também na qualidade do produto”, ressaltou Chequer, lembrando que o governo federal tem criado condições para que os produtores possam implementar a infraestrutura de armazenagem no País, como é o caso do Programa para Construção e Ampliação de Armazéns (PCA).

Além disso, a eficiência do escoamento dos grãos armazenados está diretamente ligada a uma logística que interopere com os diversos modais de transporte. “É mister que tenhamos um Plano Nacional de Logística que permita ao produtor escolher as melhores opções de escoamento de seus produtos, para atendimento dos mercados interno e externo, a um custo de transporte que lhe permita uma melhor competitividade”, afirmou Chequer.